sexta-feira, 25 de abril de 2008

UM DOS 30 PROCEDIMENTOS QUE PODEMOS UTILIZAR PARA LIMPAR SEU NOME, VEJA!!!

Perguntas Mais Frequentes?
SAIBA MAIS SOBRE AS AÇÕES JUDICIAIS:

1) O QUE É UMA AÇÃO REVISIONAL DE DÍVIDA?

Ação Revisional de Dívida é o nome que se dá juridicamente, à ação ajuizada por nosso Escritório, a qual visa a revisão de todas as cláusulas contratuais existentes nos Contratos, as quais se requer sejam as mesmas anuladas do contrato em debate.
Há três pontos chaves em nossas ações, os quais não abrimos mão de forma alguma, são eles:

a) Proteção do nome:
- (pessoa Jurídica e/ou Física) e seu respectivo CGC/MF e/ou CPF/MF de que seja cadastrado junto aos órgãos de crédito negativo, tais como (SERASA, SPC, SCI, CADIN, ASSOCIAÇÃO DOS BANCOS, ETC...), enquanto não restar por definitivo o processo (último grau de Jurisdição e/ou último recurso cabível ao caso concreto não julgado sem trânsito em julgado).

b) Manutenção da Posse do Bem:
- Casos de Financiamentos, Leasing, e outros contratos cujo objeto do mesmo é um veículo (carro, caminhão, moto, etc...), bem como maquinários em geral, equipamentos, etc... qualquer que seja o bem objeto do Contrato, este permanece na Posse até o deslinde final da ação revisional do contrato;

c) Autorização para Depósito Judicial dos valores ainda devidos;
- nos casos previstos no item acima (b), a partir do ingresso da ação revisional, caso for o caso de débito ainda aberto, obtemos autorização judicial a fim de depositar os valores devidos (conforme Planilha de Cálculos elaborada por Perito), a fim de que seja depositado em Juízo os valores ainda devidos, conforme juros legais, o que na prática proporciona, de imediato, de forma quase automática, uma redução em torno de 50% (CINQUENTA POR CENTO) do valor cobrado pelo Banco e o valor o qual será a partir do ingresso da ação pago via judicial, não estando em mora em nenhum momento, muito pelo contrário, estará depositando os valores realmente devidos, a fim de satisfazer sua obrigação.

d) caso não seja o caso um dos alencados no item (b) acima, a dívida restará "congelada" para efeitos de pagamentos para os Bancos, não há depósito de valores algum até a definição da Justiça em quais montantes, o que desde imediato propor ciona drástica redução dos juros antes cobrados, pois a partir do ingresso da ação a dívida sofrerá correções de 1% ao mês no máximo, índice este inúmeras vezes inferior ao cobrado pelas Instituições financeiras;

2) QUEM PODE AJUIZAR AÇÃO REVISIONAL?

Qualquer pessoa, tanto Física como Jurídica, pois à todas elas está o Direito a favor, bastando ingressar com a ação.

3) EM QUANTO TEMPO SE TÊM UMA SENTENÇA?

Na prática, observamos que uma ação revisional têm levado de seis meses à um ano e meio, dependendo do acúmulo de processos no foro.
Normalmente é determinada a redução imediata dos juros ao patamar de no máximo 12% ao ano, capitalização na forma anual, bem como aplicação da correção monetária pelo índice do I.N.P.C ou I.G.P.M.
Só para melhor ilustrar, cabe dizer que o "consumidor/cliente", normalmente assina junto ao Banco um contrato do Tipo "Contrato de Adesão", o qual já está na forma pré-impressa, sendo assim, é impossível discordar ou arrazoar de qualquer ponto controvertido e/ou cláusula abusiva, simplesmente é assinar ou assinar, ou muitas vezes assinar e se assassinar!!!

4)QUAL O JURO QUE É PERMITIDO POR LEI, AFINAL?

Segundo o C.C.B., o legal é juros de 0,6% à 1% ao mês, sendo ao ano de 6%, sendo permitido por Lei, no máximo, 12% ao ano.
Ocorre que na prática, isto não ocorre, e as Instituições cobram de 7% à 15% ao mês os juros, além de cobrarem na forma antecipada juros de permanência, bem como índices ilegais de correção como a TR, por exemplo.
Assim os juros na prática alcançam até o abusrdo de 20% à 30% ao mês, pois não é notado isto, acabando sempre o consumidor a pagar a conta ao final.

5) DEVE-SE QUITAR AS DÍVIDAS PRIMEIRO OU DEIXÁ-LAS EM ABERTO?

A experiência sinalisa que é melhor ajuizar a ação revisional com saldo devedor em aberto, o qual conforme já salientamos, restará "congelado" até o deslinde final da ação.
Ao final da ação verifica-se quem deve a quem, e como será cobrada esta dívida (pode ser na forma parcelada e/ou à vista).

6) O ÚNICO IMÓVEL PODE SER PENHORADO PARA PAGAMENTO DE DÍVIDA BANCÁRIA?

Negativo, conforme assim nas mais variadas decisões tem-se que o único imóvel bem como todos os bens nele pertencentes são IMPENHORÁVEIS.
Para constar, friza-se, por exemplo a linha telefonica de pessoa enferma, ou uso comercial, veículo que constitui ferramenta de trabalho, etc... são todos impenhoráveis!!!

7) O QUE SE BUSCA AFINAL, AJUIZANDO A AÇÃO REVISIONAL?

Ocorre que normalmente o magistrado (Juiz) determina frente a todas as provas trazidas através de nossas ações, que seja determinado a imediata redução dos juros aplicados ao patamar máximo de 12% ao ano, sua capitalização na forma anual, vedada a capitalização diária e mensal, pois o Banco chega muitas vezes a cobrar diariamente, quinzenalmente ou mensalmente; bem como aplicação da correção monetária pelo índice do IGPM ou INPC.
Muitas vezes, no recálculo, é determinado também a devolução das quantias pagas à maior durante as operações, com fundamento legal, inclusive, no Código de Defesa do Consumidor, o qual determina seja ressarcido o consumidor que pagou quantia a maior, sendo que esta diferença deve ser devolvida em dobro, conforme estabelece o CDC. Anulação das Cláusulas consideradas abusivas, ilegais e até extorsivas, anulação das taxas indevidas, multas, comissões de permanência, etc...

8) QUANDO SE ENTREGA O BEM AO BANCO, POR NÃO SUPORTAR MAIS EFETUAR PAGAMENTOS NOS VALORES COBRADOS PELO MESMO (EXEMPLO: CARRO, CAMINHÃO, ETC..) A DÍVIDA É QUITADA AUTOMATICAMENTE?

Isto é muito sério.
Quando o consumidor não consegue pagar as prestações do financiamento, leasing, etc., normalmente o Banco entra em contato com o consumidor a fim de que o mesmo devolva o bem ao Banco, no entanto, não é devidamente esclarecido ao consumidor que aquele bem o qual ele está a devolver será posteriormente leiloado pelo "melhor lance".
Daí começam os problemas, pois existe perante o Banco o chamado "custo do dinheiro ou custo financeiro" que nada mais é senão a espectativa que havia de pagamentos do contrato e que não há mais pois o bem foi leiloado.
Daí o Banco refaz seus custos, abate o valor pago pelo veículo no leilão e simplesmente em 99,99% dos casos ajuiza no Foro ação de Execução contra o consumidor, que na mais pura boa-fé entregou o bem a fim de satisfazer totalmente seus débitos, o que não ocorre.
Mais dia menos dia é surpreendido com o oficial de justiça batendo-lhe a porta e o intimando e penhorando seus bens relativos a diferenças existentes pendentes com o Banco.
Isto é uma vergonha!!! Isto é um estelionato oficializado!!!

9) O QUE OCORRE QUANDO O BANCO COBRA JUROS SOBRE JUROS?

Quando isto ocorre, existe a chamada "inversão do ônus da prova".
Isto significa que é o Banco que têm de provar ao Juiz que não cobrou juros acima do permitido, nem juros sobre juros, além de ter o Banco a obrigação de anexar na ação todos os extratos das operações realizadas, desde o seu início, com base legal no Código de Defesa do Consumidor - CDC -
Logo que é lavrada a sentença pelo Juiz, entra em ação o perito Judicial (perito nomeado pelo Juiz) e o perito assistente do Autor (consumidor) e o perito assistente do Réu (Banco) , pois o perito judicial irá realizar um levantamento total das operações realizadas dentro e em confor idade com a legislação legal para a solução correta da questão.

10) ENTÃO O BANCO É QUE PASSA A DEVER PARA O CLIENTE/CONSUMIDOR/AUTOR DA AÇÃO REVISIONAL?

Tudo vai depender da sentença aplicada ao caso concreto.
O volume de dinheiro que se tomou emprestado, bem como, o volume dos juros aplicados e o volume de dinheiro pago pelo cliente/consumidor é que vai proporcio nar efetivar esta equação.
Se o cliente/consumidor pagou durante um bom tempo juros e mais juros, pode ser que não deva mais nada ao Banco e ainda tenha valores altos a receber.
Se o cliente deve porque pagou poucos juros, com certeza o valor do débito é muito menor, mais ou menos 5% à 15% do que o Banco está à cobrar.

11) O CLIENTE PODE TER SEU NOME E CPF/CGC INCLUÍDO NO SERASA, SPC, SCI E ÓRGÃOS DE CRÉDITO NEGATIVO QUANDO ESTÁ AJUIZANDO UMA AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATO?

Não. Pois através de nossas ações obtemos em sede de urgência-urgentíssima, ordem da Justiça a fim de que impeça que o Banco registre o nome e o CPF/CGC em órgãos de crédito negativo, como SERASA, SPC, SCI, CADIN, ASSOCIAÇÃO DOS BANCOS, ETC..; ordem está que é automática, restando inclusive multa em dinheiro se o Banco a descumprir. Esta multa gira em torno de 01 à 10 salários mínimos por dia!!!
O Banco não pode, inclusive fornecer de forma alguma, informação para outro Banco, sob pena de pesada ação de Indenizacão por perdas e danos, abalo de crédito, etc..;

12) O QUE PODE SER FEITO QUANDO É ATRAZADA A PRESTAÇÃO DO BEM, NÃO HÁ ACORDO COM O BANCO E ESTE AMEAÇA O CLIENTE/CONSUMIDOR DE ENTRAR COM BUSCA E APRENSÃO DO BEM E/OU REINTEGRAÇÃO DE POSSE DO BEM? O QUE FAZER PARA SE DEFENDER?

Sempre a melhor coisa a fazer é entrar em contato conosco e ajuizar a ação revisional, pois ajuizando a mesma, o consumidor passa de condição de "devedor" perante o Banco para uma condição de Autor de uma ação contra o Banco, e esta nova condição de Autor frente ao Banco-Réu é muitíssimo importante.
Todas as medidas judiciais cabíveis são tomadas em curtíssimo espaço de tempo, quase automáticas, pois nossa obrigação é resolver no menor tempo possível o problema, apresentando soluções e desenvolvendo um trabalho detalhado, criterioso e sempre com a busca da melhoria cada vez mais da eficiência técnica de nossos recurso, aliado a profissionais altamente capacitados, com larga escala de trabalho e prática jurídica.

13) COMO PROCEDER PARA REAVER O DINHEIRO DEPOIS QUE SE GANHA UMA AÇÃO REVISIONAL?

Como diz o ditado "o feitiço virou contra o feiticeiro".
Se procede da mesma forma em que o Banco tentou valer seus direitos e que não obteve êxito na Justiça, ou seja: executar o Banco-Réu para pronto pagamento em 24 horas ou então nomear tantos bens bastem para a quitação do débito perante o Autor/Consumidor. Se o Banco-Réu não pagar a dívida serão penhorados bens do mesmo a fim de satisfazer o débito corrigido e atualizado.


--------------------------------------------------------------------------------

PONTOS PASSÍVEIS DE INGRESSO COM A REVISÃO JUDICIAL:

Em que casos você pode discutir através de uma Ação Judicial (Revisional)?

a) Contratos Bancários, sendo os mais comuns:

-Mútuo;
-Capital de Giro;
-Hot Money;
-Cheque Especial;
-CAC (Contrato de Abertura de Crédito);
-Crédito Fixo;
-Crédito Rotativo;
-Leasing;
-Arrendamento Mercantil;
-Contas Garantia;
-Cartões de Crédito (todos)
-etc...

b) Indexadores de Correção Monetária:

-ORTN;
-OTN;
-BTN;
-etc...;

c) Indicadores de Variação de Preços:

-IPC;
-IPCr;
-IGP;
-IGP-M;
-INPIC;
-etc...;

d)Indexadores que representam taxas de juros:

-TR;
-CDI;
-CETIP;
-ANBID;
-CDB;
-etc...;

d) Taxas Contratuais aplicadas e capitalização de juros das operações:

-Juros Exponenciais;
-Tabela Price;
-Tabela SAC;
-Juros sobre Juros;
-Juros sobre saldos devedores e/ou negativos;

e) Análise das sobretaxas como:

-Comissão de Permanência;
-Multas;
-Multas Contratuais;
-Notificações;
-Custos de Serviço;
-Mora;
-etc...;

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Cancelamento de desconto em folha de pagamento

Os principais alvos dos empréstimos com desconto em folha de pagamento são os funcionários públicos, os militares e os aposentados.

Este tipo de empréstimo é a nova "vedete" das Instituições Financeiras, pois descontam diretamente do salário dos clientes, tendo a certeza de receber o valor da parcela na data contratada.

Por certo, isto diminui a quase zero o risco de inadimplência. Todavia, também restringe o direito do cidadão aos seus salários.

O salário é um direito garantido pela Constituição Federal, frente à sua natureza alimentar e sua necessidade para sobrevivência da família, não podendo ser descontado sem a expressa autorização do consumidor.

Algumas vezes ocorrem situações indesejadas, nas quais são necessários gastos imprevistos (problemas de saúde, etc) e precisamos dispor de nosso salário.

Porém, o que o consumidor descobre na prática é que, mesmo precisando dispor de seu salário para resolver problemas muito mais sérios e urgentes, as Instituições Financeiras "não aceitam o pedido" de cancelamento.

O mesmo acontece, quando a pessoa quer revisar o contrato, pois entende que está pagando valores abusivos e quer fazer cessar o desconto de seu salário para poder pagar diretamente a Instituição somente o valor que entende justo.

Assim, novamente, a única forma de ver valer o seu direito de não ter o seu salário sequestrado mensalmente é através de uma ação judicial.

Em muitos casos, a melhor saída é entrar com uma ação revisional quanto aos juros cobrados, apresentar o recálculo do valor do empréstimo utilizando como parâmetro a taxa SELIC ou 12% ao ano (índices utilizados por boa parte do Judiciário para limitar juros abusivos) e exigir uma liminar para que o juiz limite os descontos ao novo valor de parcela encontrado.

E lembre-se de, no curso da ação revisional, frequentemente entrar em contato com a instituição financeira para verificar se não há possibilidade de um acordo com desconto para quitação à vista ou reparcelamento mais vantajoso (com redução das taxas de juros cobradas no contrato).

Exclusão de cadastros restritivos de crédito (SPC, SERASA e outros)

A inclusão do nome do consumidor em cadastros restritivos de crédito como SERASA, SPC, SCI, CADIN e outros, traz enormes transtornos para sua vida, pois perde completamente o crédito junto ao comércio.

Vale lembrar que segundo o Código de Defesa do Consumidor, antes de cadastrar o nome do consumidor nestes órgãos a empresa deve mandar um aviso.

O referido aviso, como o próprio nome diz, tem a finalidade de "avisar" o cliente da existência da dívida e que, se acaso não pague seu nome será incluído no SPC, SERASA e afins.

Segundo o Superior Tribunal de Justiça, em julgado recente (Resp 550327), os avisos de cobrança devem trazer expressos os valores devidos.

Assim, recebido o aviso, a fim de evitar o cadastramento de seu nome, o consumidor tem a oportunidade de pagar a dívida, tentar negocia-la, ou até mesmo contesta-la, pois em diversas ocasiões há cadastros indevidos por dívidas já pagas ou dívidas que sequer pertencem ao cliente.

Assim, acaso você não tenha recebido um aviso, já tenha pago a dívida ou simplesmente desconhece a dívida, e mesmo assim seu nome foi cadastrado no SPC, SERASA ou outro órgão de restrição ao crédito, procure um advogado de sua confiança, pois é seu direito de exigir uma indenização pelo dano moral decorrente do abalo de crédito sofrido.

Caso a inclusão de seu nome no SPC, SERASA, etc, tenha ocorrido em virtude de problemas nascidos a partir de contratos com juros e outros encargos considerados ilegais e/ou abusivos, pode ser pedido, através de uma ação revisional, uma liminar para suspender o registro de seu nome dos cadastros negativos, até que seja julgada a ação na Justiça.

Ação revisional de contrato

Esta modalidade de ação judicial tem por objetivo revisar os termos (cláusulas) constantes em um contrato realizado entre o consumidor e a Instituição Financeira, para fins de equilibrar a relação havida, evitando os abusos e limitando a taxa de juros remuneratório praticada, que muitas vezes pode ser considerada abusiva, além de limitar ou anular outras cláusulas consideradas abusivas nos termos do Código de Defesa do Consumidor.

Para verificar a abusividade das taxas de juros cobradas a Justiça tem adotado parâmetros decorrentes da realidade econômica brasileira, como a taxa médida de mercado (SELIC), os índices de inflação (inferiores a 10% ao ano), a remuneração da caderneta de poupança (em média de 0,7% ao mês), a média de recomposição salarial (entre 5% e 10% ao ano), dentre outros, bem como a função social do contrato (análise do contrato como algo que deve servir à sociedade como um todo, principalmente para o seu desenvolvimento e crescimento).

Portanto, é evidente a abusividade quando, por exemplo, o cartão de crédito cobra 16,90% de juros ao mês e em contra-partida todos os outros índices econômicos citados acima apontam para taxas, em média, entre 5% e 20% ao ano.

A ação revisional pode versar sobre contratos de cartão de crédito, financiamentos, cheque especial, CDC, empréstimos, leasing, alienação fiduciária, dentre outros que contenham taxas de juros e outras cláusulas consideradas abusivas.

Outra medida importante tomada pelos advogados neste tipo de ação é o pedido feito à Justiça para o depósito dos valores que entendem devidos à luz da legislação, doutrina e jurisprudência, bem como o pedido de "antecipação de tutela" para impedir que a Instituição Financeira inscreva o nome do consumidor em órgãos como SPC, SERASA, BACEN etc, enquanto o processo estiver sendo discutido, pois a própria dívida está em discussão.



E uma das dicas mais importantes é: no curso da ação revisional, frequentemente entrar em contato com a instituição financeira para verificar se não há possibilidade de um acordo com desconto para quitação à vista ou reparcelamento mais vantajoso (com redução das taxas de juros cobradas no contrato).

Defesa do consumidor em ação de busca e apreensão

Dependendo do caso, o qual deve ser analisado atentamente por um advogado de sua confiança, poderá ser suspensa a busca e apreensão de bem (veículo, máquina, etc), o qual deverá ser devolvido ao consumidor.

Isto deve ser feito através do ajuizamento de uma ação revisional de contrato, pois o bem não pode ser retirado do consumidor enquanto está se discutindo em juízo os juros e demais cláusulas, o que afeta o valor real da dívida.

Assim, não se pode falar em inadimplência (atraso no pagamento), a qua é o fundamento da ação de busca e apreensão, se os valores cobrados eram superiores aos efetivamente devidos.

É importante dizer que a retomada do bem pela instituição financeira não significa que a dívida esteja quitada, pois após ter sido buscado, o bem é levado a leilão, sendo vendido pelo melhor lance (normalmente valor abaixo do mercado) e após pagas as dívidas com leiloeiro e outras custas, pouco é abatido da dívida real, restando o saldo como dívida do consumidor, que continuará a ser cobrado, poderá ter seu nome cadastrado no SPC, SERASA e afins e sofrer uma ação de execução para cobrança do valor ainda devido.

segunda-feira, 31 de março de 2008

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

CHEQUES,DUPLICATAS,PROMISSORIAS,FINANCIAMENTOS,LOJAS,TODO TIPO DE DIVIDA,SEU CASO TÊM SOLUÇÃO!!!









MONTE SINAI CONSULTORIA & ADVOCACIA






OLÁ,MEU NOME É FABRICIO BARROS CONSULTOR DE DIVIDAS,E VENHO LHE PROPOR QUE CONHEÇA O SISTEMA DE CONSULTORIA SPC,SERASA.
BOM VOCÊ DEVE ESTAR CANSADO DE VER POR AI,PESSOAS VENDENDO APOSTILAS,CURSOS ETC,,, PROMETENDO MILAGRES PARA LIMPAR SEU NOME SPC,SERASA,CARTORIOS DE PROTESTO ETC... PORÉM SOU HONESTO EM LHES DIZER A MAIS DE 03 ANOS TRABALHANDO COM ESTE SEGMENTO,NÃO EXISTE UMA REGRA PARA TODOS OS CASOS DE DIVIDA,UMA FORMÚLA QUE SE APLICA EM TODAS AS SITUAÇÕES,COMO DIZEM POR AI LIMINARES SEM FUNDAMENTO E QUE REALMENTE NÃO FUNCIONAM,MUITAS PESSOAS PENSAM QUE SE TRATA DE UMA NEGOCIAÇÃO A UNICA SOLUÇÃO DE RESOLVER O PROBLEMA DA DIVIDA,AS VEZES UMA NEGOCIAÇÃO APENAS IRA MAQUIAR UM PROBLEMA QUE MAIS TARDE PODE REAPARECER AINAD MAIOR!! ISTO PORQUE ,AS INFORMAÇÕES SÃO OMITIDAS AS PESSOAS , E QUE O INADIMPLENTE (COMO SÃO CHAMADOS POR ESTES ORGÃOS),TÊM O DIREITO DE SE DEFENDER DAS OPRESSÕES DESTES CREDORES.
NÓS DA MONTE SINAI CONSULTORIA & ADVOCACIA,TRABALHAMOS COM UM GRUPO COMPOSTO COM MAIS DE 30 PROFISSIONAIS,CONSULTORES E ADVOGADOS QUE ESTÃO DE PRONTIDÃO A TRABALHAR NOS PROCESSOS DE REABILITAÇÃO DE CRÉDITO DE NOSSOS CLIENTES,POR ISSO VOCÊ TERA TODA GARANTIA E CERTEZA QUE SEU NOME SERÁ LIMPO DA FORMA MAIS BARATA,E MAIS RAPIDA POSSIVÉL O QUE DEPENDER DE NOSSA EQUIPE,PORÉM ANTES DA CONSULTORIA DE SUA DIVIDA SER CONCLUIDA NÃO TÊM COMO PASSARMOS A VOCÊ COMO É O NOSSO TRABALHO,QUANTOS VOCÊ VAI GASTAR,,COMO VAI SER? ETC... COMO DENTRE OUTRAS MUITAS PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVE ESTAR FAZENDO ISSO PORQUE CADA DIVIDA É UM MECANISMO QUE SE APLICA,VOU DAR UM EXEMPLO MUITO SIMPLES,LEMBRANDO QUE NÃO EXISTE UMA REGRA ESPECIFICA PARA TODOS OS CASOS:



QUANDO VOCÊ VAI A UM MÉDICO,RECLAMANDO DE UMA DOR OU SEI LÁ OUTRO PROBLEMA,ELE OLHA PARA VOCÊ E JÁ VAI TE DAR O RÉMEDIO PARA VOCÊ TOMAR??? LÓGICO QUE NÃO SE ELE FIZER ISSO É UM MAL PROFISSIONAL NÃO É???
NO MINIMO ELE DEVE PEDIR EXAMES PARA DIAGNOSTICAR SEU PROBLEMA,PARA TE DAR O REMEDIO CERTO PARA SUA DOENÇA,DOR ETC...

ENTENDEU É MAIS OU MENOS ASSIM QUE FUNCIONA NOSSO TRABALHO TEMOS DE EXCECUTAR NOSSOS PROCEDIMENTOS ,NOSSOS MECANISMOS DE ACORDO COM O SEU PROBLEMA PARA QUE A SOLUÇÃO SEJA EFICAZ!!!



O QUE É CONSULTORIA DE DIVIDAS?



R: A CONSULTORIA DE SUA DIVIDA NADA MAIS É QUE,PESQUISA,LEVANTAMENTO,ATUALIZAÇÃO E EXCECUÇÃO.



1° PASSO :

NOSSA EQUIPE EFETUA TODO O LEVANTAMENTO DE SUA DIVIDA Á NIVÉL NACIONAL,LOCALIZA ORGÃOS CREDORES QUE MANTEM SEU NOME INSCRITO EM ORGÃOS TAIS COMO: SERASA, SPC.


O 2° PASSO:

APÓS ESTARMOS COM TODO LEVANTAMENTO QUEM É ,OU QUEM SÃO SEUS CREDORES,ANALISAREMOS TODOS CONTRATOS QUE VOCÊ POSSUI COM ESTE CREDOR,PARA QUE ASSIM SEJA VERIFICADO O TEOR DA DIVIDA E O QUE ESTA NEGATIVADO(EM QUASE 100% DOS CASOS O NOME DO DEVEDOR ESTA SENDO MANTIDO INDEVIDAMENTE INSCRITO NO SERASA SPC) DAI VOCÊ ME PERGUNTA:

MAS EU NÃO TENHO CONTRATO COM ESTE CREDOR,E AI?

CONTRATO DE ADESÃO QUE É A FORMALIDADE QUE TODOS ORGÃOS E INSTITUIÇÃO MANTÉM COM OS CONSUMIDORES PODE SER:

-CHEQUE

-DUPLICATA

-CARNÊ

-BOLETO BANCARIO ..ETC



3° PASSO:

ESTE É UM DOS PROCESSOS MAIS IMPORTANTES QUE É A ATUALIZAÇÃO DE SUA DIVIDA,NÃO PENSE QUE UMA DIVIDA FEITA A TEMPOS ATRÁS ,NA ATUALIDADE SEJA O MESMO VALOR.ISTO É UMA UTOPIA,TODOS CREDORES INSISTEM E COBRAM ALTAS TAXAS DE JUROS E MULTAS INDEVIDAS SOBRE O VALOR DA DIVIDA,ONDE TRANSFORMAM UMA TELEVISÃO EM UM CARRO,ISTO DEVE SER BANIDO E NÓS TEMOS OS MEIOS.



4° PASSO:



A EXCECUÇÃO DOS TRABALHOS,APÓS ESTAR COM SUA DIVIDA DIAGNOSTICADA,NOSSA EQUIPE DE ADVOGADOS E CONSULTORES,ESTRATEGICAMENTE FALANDO ,ANEXA EM CADA DIVIDA OU CONTRATO UM PROCEDIMENTO EFICAZ SOBRE SEU PROBLEMA,ONDE SEU NOME É LIMPO ANTES MESMO DE VOCÊ PAGAR SUA DIVIDA.



5° PASSO:



NOME LIMPO,ONDE VOCÊ PODERA NOVAMENTE COMPRAR ,FINANCIAR FAZER TUDO QUE QUISER COM SEU CRÉDITO RESTITUIDO NO MERCADO,SEM SE PREOCUPAR COM AS OPRESSÕES DE CREDORES.

VOCÊ DEVERA DEPOSITAR A QUANTIA DE R$80,00,QUE SÃO PARA CUBRIR OS CUSTOS DA SUA CONSULTORIA,NOSSA EQUIPE DISPONIBILZARA DE 03 A 10 DIAS ANALIZANDO E ESTRATEGICAMENTE FALANDO CRIANDO PROCEDIMENTOS PARA A REABILITAÇÃO DE SEU NOME,APÓS ESTA CONSULTORIA DAREMOS A VOCÊ OS RESULTADOS E AS RESPOSTAS QUE VOCÊ QUER SABER,ISSO PORQUE ESTAMOS COM A DOENÇA DIAGNOSTICADA!!!


-COMO ESTA SUA DIVIDA ATUALIZADA.
-QUAIS OS PROCEDIMENTOS QUE VAMOS APLICAR.

LEMBRANDO QUE NA GRANDE MAIORIA DOS CASOS O CLIENTE ECONOMIZA ATÉ 95% DO VALOR DA SUA DIVIDA,E MESMO ASSIM PRIMEIRO NOME LIMPO DEPOIS PAGAR O CREDOR DA MANEIRA QUE PREFERIR!!!


APÓS A TAXA DE CADASTRO DEPOSITADA VOCÊ DEVERA REPASSAR OS DADOS DE DEPOSITO VIA-E-MAIL OU MSN OU TELEFONE,ISTO PORQUE VOCÊ RECEBERA UMA FICHA CADASTRAL COM OS DADOS QUE DEVERA SER PREENCHIDA PARA A CONSULTORIA.



ASSIM A CONSULTORIA CONCLUIDA VOCÊ RECEBERA POR E-MAIL UMA NOTIFICAÇÃO (DE 03 A 10 DIAS ÚTEIS),PARA ENTRAR EM CONTATO CONOSCO PARA DARMOS CONTINUIDADE NA SUA REABILITAÇÃO.



ENTÃO NÃO PERCA MAIS TEMPO COM O NOME SUJO!!! NESTE PEQUENO TUTORIAL VOCÊ JÁ PODE VER A DIFERENÇA NÃO ESTAMOS PROMETENDO MAGICAS E SIM A SOLUÇÃO DE SEU PROBLEMA.

TRABALHAMOS COM CAIXA ECONÔMICA FEDERAL OU LOTÉRICAS QUE POSSUI MAIS DE 350 MIL POSTOS DE ATENDIMENTO ESPALHADOS EM TODO TERRITORIO NACIONAL

VALOR: R$80,00
AGÊNCIA:0353
CONTA:00005294-0
OPERAÇÃO:013
TITULAR: ÉRICA ALINE DE BARROS
CAIXA ECÔNOMICA FEDERAL OU LOTÉRICAS.

COM O COMPROVANTE DE DEPOSITO,ENTRE EM CONTATO CONOSCO,PARA DARMOS CONTINUIDADE NA REABILITAÇÃO DE SEU CRÉDITO.


MONTE SINAI CONSULTORIA & ADVOCACIA

RUA: DELEGADO PINTO DE TOLEDO N°2841 CENTRO SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CEP:15045-085 FONES:017-32129423 OU 017-91548714.
E-MAIL OU MSN: montesinaiconsultoria@hotmail.com